A Brasília que não lê

Quem são esses brasileiros analfabetos residentes no DF?

Leia Mais

Projeto Leitura

O Projeto Leitura, tem como objetivo vencer um dos maiores desafios encontrados pelos professores e amantes da literatura: Criar o hábito da leitura.

Leia Mais

Projeto LEF

Projeto LEF Confira artigos, trabalhos, Vídeos, Fotos, projetos na seção do Letramento no Ensino Fundamental.

Leia Mais

Blog

Autor: Silas E. Cardoso

Sim, atualmente há 10 cidades no Brasil onde alguma língua indígena é cooficial ao lado do português. Tratam-se de:

  • São Gabriel da Cachoeira, no Amazonas (essa cidade fica próxima à fronteira com a Colômbia): Lá são oficiais as línguas nhengatu (chamada de "língua geral" no período colonial), tukano, ianomami e baniwa.
  • Tacuru, no Mato Grosso do Sul (fica próxima à fronteira paraguaia): Lá, o guarani é uma língua oficial.
  • Bonfim, em Roraima (na fronteira com a Guiana): Lá, são oficiais as línguas macuxi e wapichana.
  • Cantá, em Roraima: As línguas macuxi e wapichana também foram oficializadas lá.
  • São Félix do Xingu, no Pará: Lá, a língua mebêngôkre/caiapó foi oficializada.
  • Tocantínia, no Tocantins: Foi oficializada a língua xerente.
  • Barra do Corda, no Maranhão: Foi oficializada a língua tenehara/guajajara.
  • Santo Antônio do Içá, no Amazonas (fronteira com a Colômbia): foi oficializado o tikuna.
  • Miranda, no Mato Grosso do Sul: Foi oficializada a língua terena.
  • Monsenhor Tabosa, no Ceará: Foi oficializado o tupi/nhengatu.

Dessa maneira, atualmente 12 línguas indígenas são oficiais em algum município brasileiro, mas esse número pode aumentar bastante já que está em tramitação o Projeto de Lei nº 3074 de 2019, de autoria do deputado federal pelo MS Dagoberto Nogueira (hoje do PSDB mas na época era do PDT), que caso entre em vigor determinará que todos os municípios brasileiros onde existe uma comunidade indígena devem obrigatoriamente cooficializar a língua daquela etnia juntando-se aos 10 municípios que já o fizeram voluntariamente de maneira avulsa.

O PL 3074/19 foi aprovado na Câmara dos Deputados em 2022 e encaminhado para o Senado Federal mas lá a tramitação empacou e até agora nada. Atualmente no Brasil há 274 línguas indígenas (das quais 25 têm mais de 5 mil falantes) e 680 reservas indígenas regularizadas.

 

Fonte: Quora (https://povoselinguas.quora.com/https-pt-quora-com-H%C3%A1-alguma-cidade-no-Brasil-que-tenha-como-l%C3%ADngua-oficial-uma-l%C3%ADngua-ind%C3%ADgena-brasileira-answer-Sila)

Categoria pai: Seção - Blog

Fonte: https://qr.ae/psWmOK

Autor: Fábio Costa

 

Na maioria dos idiomas, os nomes dos dias da semana se originam dos nomes de astros ou seres mitológicos (Sol, Lua, Marte, Saturno, Júpiter)

O português é única latina em que foi substituído o nome dos planetas pelos numerais. Isso ocorreu porque, no século VI, São Martinho, bispo de Braga, entendeu que na Semana Santa seria uma blasfêmia chamar os dias pelos seus nomes pagãos.

São Martinho propôs que, durante a Semana Santa, que naquela época era toda consagrada ao descanso, ao culto e às orações, os dias fossem chamados feria (literalmente: dia livre) e ordenados numericamente, conforme a liturgia católica (segunda a sexta). O nome domingo veio do latim Dies Dominu (dia do Senhor) e sábado vem do hebraico Shabath, dia do descanso dos judeus.

Com o tempo, essa denominação passou a ser usada o ano todo, não apenas na Semana Santa.

Categoria pai: Seção - Blog

Fonte: https://www.quora.com/

Autor: Inshal

Let me just answer this in simple words. Think of Ancient Rome as a great, big machine. It was pretty amazing for its time, with clever things like aqueducts to bring water into the city and great roads to connect far-off places. But it wasn't anywhere near having an Industrial Revolution like the one we saw a couple of centuries ago.

Here's why: Rome's big machine was powered by people, not engines. There were a lot of slaves doing the work. This meant that there wasn't much need to come up with new machines to do the work instead.

Also, the way money and business worked in Rome was really different from now. A lot of the time, people got rich by winning wars, not by selling things. This means there wasn't a big push to make things faster or cheaper like there was when the Industrial Revolution happened.

What's more, the Romans liked things to stay pretty much the same. They did come up with some clever new ideas, especially for building things. But they didn't usually go for big changes in the way things worked. And the Industrial Revolution was all about big changes.

Last of all, even though the Romans were smart and had some great ideas, they didn't have all the bits and pieces you need for an Industrial Revolution. They were really good at making things out of metal, but they hadn't figured out how to use metal to make engines. And they didn't have anything like steam power.

So, while Ancient Rome was an advanced place for that time in human history, it wasn't anywhere close to the brink of an Industrial Revolution.

Categoria pai: Seção - Blog

 

Se eu morresse amanhã, viria ao menos
Fechar meus olhos minha triste irmã;
Minha mãe de saudades morreria
Se eu morresse amanhã!

Quanta glória pressinto em meu futuro!
Que aurora de porvir e que manhã!
Eu perdera chorando essas coroas
Se eu morresse amanhã!

Que sol! que céu azul! que doce n'alva
Acorda a natureza mais louçã!
Não me batera tanto amor no peito
Se eu morresse amanhã!

Mas essa dor da vida que devora
A ânsia de glória, o dolorido afã...
A dor no peito emudecera ao menos
Se eu morresse amanhã!


Publicado no livro Poesias de Manuel Antônio Álvares de Azevedo (1853). Poema integrante da série Poesias Diversas.

Categoria pai: Seção - Blog

 

Ana Karina Bortoni

Por: Ana Karina Bortoni 

Transformando negócios por meio da inovação e sustentabilidade. Especialista em gestão, liderança e empreendedorismo. Mãe de três.
 

A cooperação entre empresas mostra-se cada vez mais necessária para impulsionar a inovação e o crescimento. Ao compartilhar know-how, recursos e riscos, elas podem acelerar o desenvolvimento de novos produtos, acessar mais mercados e estimular a criatividade, resultando em vantagens competitivas para todas.

Um relatório do Boston Consulting Group (BCG) revela que o número de alianças estratégicas em todo o mundo aumentou de 1.117 em 2012 para 8.927 em 2020. Geralmente, a base para essa colaboração se mostra consistente: troca mútua de valor não monetário, que inclui capacidades essenciais de cada empresa e acesso à expertise ou a clientes das outras.

O documento destaca ser fundamental identificar os colaboradores certos para alcançar os objetivos estratégicos da aliança. Parceiros na mesma indústria são ideais, por exemplo, para entrar em novos mercados ou expandir a escala, como ocorreu com a aliança global entre Renault, Nissan e Mitsubishi.

Por outro lado, para adquirir novas capacidades e inovar, empresas podem considerar parceiros fora de sua indústria. Um exemplo é a colaboração do Google e com a Luxottica para a criação de dispositivos wearable (vestíveis), neste caso, óculos, e a parceria entre Tesla e Panasonic para desenvolver e produzir baterias de íon de lítio para carros elétricos.

De acordo com um estudo da Universität St. Gallen, uma escola de pesquisa pública suíça, aproximadamente três quartos das alianças fracassadas podem ser atribuídos à escolha errada de parceiros e à falta de comprometimento de uma ou mais partes. Como se vê, é uma prática boa, mas não é fácil.

Entendo também que a cultura da cooperação não deve ser observada somente entre grandes empresas de atuação global, ela encontra igualmente valor em ambientes corporativos internos, por meio do incentivo e da criação de formas colaborativas de trabalho não apenas horizontalmente, mas também verticalmente.

Para o pesquisador Renato Souza, da FGV EAESP - Escola de Administração de Empresas de São Paulo da Fundação Getulio Vargas, em um artigo publicado na revista “Scandinavian Journal of Management”, práticas de gestão mais colaborativas e coletivas são primordiais para que as empresas acompanhem as transformações globais.

Ele diz que são três as principais práticas a serem evitadas e até mesmo abolidas das empresas que pretendem ser colaborativas e sintonizadas com as tendências atuais: teorias centradas no líder, gestão de desempenho e gestão de talentos baseada no indivíduo. Se quiserem crescer, terão de abandonar esses caminhos.

Como Børge Brende, presidente do World Economic Forum, declarou no encontro deste ano, os principais desafios e as oportunidades mais promissoras para nosso planeta, sociedades e economias “não conhecem fronteiras”. Por isso, para ele, líderes devem trabalhar juntos, mesmo não concordando em tudo.

Eu concordo. Empresas locais ou globais e países que estabelecem regularmente arranjos cooperativos estão pelo menos um passo à frente. Além disso, têm grandes chances de ser mais resilientes para enfrentar com sucesso os desafios e os obstáculos que, em última análise, afetam todos nós.

Categoria pai: Seção - Blog

Pesquisar

PDF Banco de dados doutorado

Em 15 de maio de 2024, chegamos a 1.810 downloads deste livro. 

:: Baixar PDF

A Odisseia Homero

Em 15 de maio de 2024, chegamos a  7.838 downloads deste livro. 

:: Baixar PDF

:: Baixar o e-book para ler em seu Macintosh ou iPad

Uma palavra depois da outra


Crônicas para divulgação científica

Em 15 de maio de 2024, chegamos a 15.349 downloads deste livro.

:: Baixar PDF

:: Baixar o e-book para ler em seu Macintosh ou iPad

Novos Livros

 





Perfil

Nasci no remoto ano de 1945, em São Lourenço, encantadora estação de águas no sul de Minas, aonde Manuel Bandeira e outros doentes iam veranear em busca dos bons ares e águas minerais, que lhes pudessem restituir a saúde.

Leia Mais

Publicações

Do Campo para a cidade

Acesse: