A Brasília que não lê

Quem são esses brasileiros analfabetos residentes no DF?

Leia Mais

Projeto Leitura

O Projeto Leitura, tem como objetivo vencer um dos maiores desafios encontrados pelos professores e amantes da literatura: Criar o hábito da leitura.

Leia Mais

Projeto LEF

Projeto LEF Confira artigos, trabalhos, Vídeos, Fotos, projetos na seção do Letramento no Ensino Fundamental.

Leia Mais

Blog

e.d.green_lse.ac.ukDrawing on citation data that spans disciplines and time periods, Elliott Green has identified the most cited publications in the social sciences. Here he shares his findings on the 25 most cited books as well as the top ten journal articles. The sheer number of citations for these top cited publications is worth noting as is the fact that no one discipline dominates over the others in the top 20, with the top six books all from different disciplines.

There has been an increasing focus on citations as a measure of academic productivity in recent years, in part due to the increased ease of access to data from Google Scholar since it was launched in 2004. While there has thus been a large amount of interest in how scholars can obtain higher numbers of citations, there has been comparatively little attention to examining what publications actually obtain huge citation counts. There has been one study from Nature in 2014 of the top 100 most cited publications using data from Google Scholar, which included papers across all academic disciplines. Due to higher citation counts in the natural sciences, the list thus included very few publications from the social sciences (with only one spot in the top ten), of which a large number were actually methodology textbooks.

As such it is worth constructing a similar list, but just for the social sciences. I used Google Scholar to create a list of all publications which drew more than 20,000 citations, which I sub-divided into books and journal articles due to the fact that some disciplines tend to publish more in one format than the other, as well as methodology publications (including econometrics and statistics as well as qualitative methodology) due to the fact that methodology publications tend to be cited as if they were textbooks and can thus attract much higher citation counts than other publications.

publicationsImage credit: Archives New Zealand (CC BY-SA)

I included the following disciplines in my list: Anthropology, Economics, Education, Geography, Linguistics, Management, Philosophy, Political Science and Psychology. I thus excluded publications from both the humanities and the natural sciences, which in some borderline cases meant that I had to decide whether a publication belonged in the list due to its subject matter. In such cases I tended to decide based on the author’s degrees and/or professional title in order to maintain some degree of objectivity: thus I included Judith Butler’s Gender Trouble (1990) as she has a PhD in philosophy despite holding a professorship in a Literature department, but I did not include Homi Bhabha’s The Location of Culture (1994) as his PhD is in English literature. On the natural sciences side I similarly chose to exclude Lofti Zadeh’s 1965 article “Fuzzy Sets” despite its use in the social sciences as Zadeh holds a PhD in Engineering. In cases of books with multiple volumes such as Karl Marx’s Kapital I combined the citations for all volumes, and I confronted the problem of works published in multiple languages by only including citations of English-language editions for publications initially published in English, and citations of both the original language and English-language editions for works published initially in other languages. (In all but one cases this algorithm captured the two highest amounts of citations for foreign language publications. The one exception was Paulo Freire’s Pedagogy of the Oppressed (1968), whose Spanish-language edition has more citations than its original Portuguese-language edition.)

I begin with the list of the top 25 most published books in Table 1. Several things are immediately apparent. First is the sheer number of citations for the most-cited books: the most cited book, Thomas Kuhn’s book The Structure of Scientific Revolutions, has more citations that the entire body of work of such noted social scientists as John Stuart Mill (74,807 citations), Daniel Dennett (67,625), Avinash Dixit (61,112) or Steven Pinker (58,574). Secondly, no one discipline dominates over the others in the top 20, with the top six books all from different disciplines. However, if we expand our analysis to the top 50 books, as seen in Figure 1, economics dominates over other disciplines, followed by sociology and psychology. In contrast geography is totally absent from the list, with its highest-cited book, David Harvey’s The Condition of Postmodernity (1989), coming in at 65th on the list, and no other book in anthropology has more than 20,000 citations other than Clifford Geertz’s The Interpretation of Cultures (1973).

Table 1: The 25 most cited books in the social sciences

citations table 1* Single-volume books originally published in a foreign language are listed twice, with the English-language edition listed second.

citations figure 1

Third, there is a distinct inverted-U shape curve to the date of publication, with books published between 1960 and the early 1990s dominating over both older and newer books. In Figure 2 I plot the distribution of date of publication by decade for books in the top 50, which shows that the 1980s and 1990s dominate over other decades. The only books in the top 50 published within the last 20 years are Robert Putnam’s Bowling Alone (2001), Amartya Sen’s Development as Freedom (1999) and Etienne Wenger’s Communities of Practice (1999); on the other end the only two books published more than a century ago are Adam Smith’s The Wealth of Nations (1776) and Karl Marx’s Das Kapital (published initially in German between 1867 and 1894).

citations figure 2

Indeed, given the strong trend towards recent publications it is useful just to examine the top ten most cited books published before 1950, which I list in Table 2. As in the top 50 economics dominates over other disciplines, with six of the top seven spots; in contrast there are no books published in anthropology, geography, linguistics, management, or political science before 1950 with more than 20,000 citations.

Table 2: The 10 most cited books in the social sciences published before 1950

citations table 2* Books originally published in a foreign language are listed twice, with the English-language edition listed second.

It is useful to compare the list in Table 1 to a list of the top 10 most cited methodology books, which can be found in Table 3. As expected, the numbers of citations are incredibly high, such that merging Tables 1 and 3 would result in methodology books taking up half of the top 10. Another point to note here is the much better representation of female authors in Table 3, where three books have at least one female co-author and one, Using Multivariate Analysis (1989), is authored by two women. In contrast the highest non-methodology ranked book authored or co-authored by a woman is Stress, Appraisal and Coping (1989) by Richard Lazarus and Susan Folkman at #19, followed by Judith Butler’s Gender Trouble at #27.

Table 3: The 10 most cited methodology books in the social sciences

citations table 3

Another useful exercise is to compare the top ten books in Table 1 to the second-most cited books by the same authors as a measure of consistency. One would expect the ratio to start relatively high and then decline if the gap in citations between the second-most cited books was smaller than for the most-cited books, and indeed as expected the first three authors in based on the raking in Table 1, Thomas Kuhn, Everett Rogers and Paulo Freire, all have higher ratios than the last four on the list. However, the clear outlier here is Benedict Anderson, whose second-most cited publication, his 1998 book The Spectre of Comparisons, has only 979 citations, for a ratio of 68.6 to 1. One point to observe about Anderson’s Imagined Communities is that, like some other books on the list, many if not most of its citations tend to be references to its title (i.e., that nations are “imagined communities”) rather than anything actually inside the book, leading one author to write about Imagined Communities that “rarely has a critical best-seller been so popular and so ignored at the same time.”

Figure 3: Ratio of most-cited publication to second-most-cited publication for authors among the top-10 most cited books in the social sciences

citations figure 3

Table 4: The 10 most cited journal articles in the social sciences (excluding methodology articles)

citations table 4

Finally, I examine in Table 4 the top 10 most cited journal articles, excluding methodological articles. (If such articles were included they would occupy three of the top six spots, starting with E. Kaplan and P. Meier’s 1958 article “Nonparametric Estimation from Incomplete Observations” from the Journal of the American Statistical Association.) Here the list is dominated by economics and psychology, with four publications each; in contrast the top ranked article in political science is R. Axelrod and WD Hamilton’s 1981 article “The Evolution of Cooperation” in Science at #22, with no articles from anthropology, education, geography or linguistics with more than 20,000 citations. Another thing to note is the relatively low numbers compared to Table 1, where there are seventeen publications with more than 40,000 citations compared to only four journal articles.

Note: This article gives the views of the author, and not the position of the LSE Impact blog, nor of the London School of Economics. Please review our Comments Policy if you have any concerns on posting a comment below.

About the Author

Elliott Green is Associate Professor of Development Studies in the Department of International Development at the LSE.  His research on ethnic politics, decentralization and development in Sub-Saharan Africa has been published recently in such journals as Comparative PoliticsEconomic Development and Cultural Change and International Studies Quarterly, among others.

Categoria pai: Seção - Blog

 

Resenha do livro O professor pesquisador: introdução à pesquisa qualitativa Camila Vilela de Queiroz (UFMG)

BORTONI-RICARDO, Stella Maris. O professor pesquisador: introdução à pesquisa qualitativa. São Paulo: Parábola Editorial, 2008. 136 p.

Stella Maris Bortoni-Ricardo é professora titular aposentada de Linguística da Universidade de Brasília - UnB, mestre e doutora em Linguística, fez seu pós- doutorado na Pensilvânia. Seu livro O professor pesquisador: introdução à pesquisa qualitativa é dirigido a professores em atividade ou em formação a fim de auxiliá-los na apropriação dos princípios básicos da metodologia da pesquisa qualitativa. Conforme explicação dada pela autora, trata-se de uma introdução à metodologia de pesquisa qualitativa, dirigido

especialmente a professores em formação inicial e continuada” (p.9) e à medida que foi elaborado foi também amplamente apreciado por seus alunos. A obra fornece exemplos e orientações de como acontece a pesquisa qualitativa em sala de aula, assim, o leitor pode perceber que a sala é o principal contexto capaz de transformar o olhar do professor em um olhar de professor pesquisador, ou seja, aquele que aperfeiçoa teorias ou até mesmo constrói novas. Desse modo, pode-se perceber que o propósito da autora é estimular seus leitores a terem uma postura atuante, que saibam refletir sobre situações no contexto escolar e não ficar inerte diante delas, ou seja, ela instiga o professor para que ele desenvolva uma conduta proativa na produção do conhecimento científico. Bortoni-Ricardo possui outras publicações que podem ser visualizadas em sua página www.stellabo rto ni.co m.b r.

Em todos os capítulos há partes assim denominadas:

  •   Diário de bordo: que são atividades, perguntas e reflexões sobre o tema tratado;

  •   Para saber mais: são informações sobre autores que citados, sugestões para outras leituras e explicações sobre termos e nomenclaturas que aparecem no

    texto;

  •   Caixas de diálogos: referem-se às conversas que aconteceram durante suas aulas

    entre ela e seus alunos.

    No livro, encontramos três questões fundamentais que são respondidos no decorrer dos onze capítulos presentes na obra, são elas:

O que está acontecendo aqui agora? 

Categoria pai: Seção - Blog


Rachel de Queiroz MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO/TV ESCOL

Por Rachel de Queiroz

Outro dia liguei o rádio e ouvi que faziam um concurso entre os ouvintes procurando uma definição para amor. As respostas eram muito ruins, até dava para se pensar que nem ouvintes nem locutores entendiam nada de amor realmente; o lugar-comum é mesmo o refúgio universal, que livra de pensar e dá, a quem o usa, a impressão de que mergulha a colher na gamela da sabedoria coletiva e comunga das verdades eternas. O que aliás pode ser verdade.

Mas a ideia de definição me ficou na cabeça e resolvi perguntar por minha conta. Tive muitas respostas. A impressão geral que me ficou do inquérito é que de amor entendem mais os velhos do que os moços, ao contrário do que seria de imaginar. E menos os profissionais que os amadores __digo os amadores da arte de viver, propriamente, e os profissionais do ensino da vida. Vamos ver:

Dona Alda, que já fez bodas de ouro, diz que o amor é principalmente paciência. Indaguei: e tolerância? Ela disse que tolerância é apenas paciência com um pouco de antipatia. E diz que amor é também companhia e amizade. E saudade? […] Não. Afinal, o amor não vai embora. Apenas envelhece, como a gente.

A jovem recém-casada me diz que o amor é principalmente materialismo. Todos os sonhos das meninas estão errados. Aquelas coisas que se leem nos livros da Coleção das Moças, aqueles devaneios e idealismos e renúncias e purezas, está tudo errado. Quando a gente casa, é que vê que o amor não passa de materialismo. […]

Um senhor quarentão, bem casado, pai de filhos: “Amor, como se entende em geral, é coisa da juventude. Depois de uma certa idade, amor é mais costume. É verdade que tem a paixão com seus perigos. Mas você falou em amor e não em paixão, não foi?”
__ E de paixão, que me diz? __ Aí ele se fecha em copas. “Deixo isso para os jovens. Velhote apaixonado é fogo. E eu não passo de um pai de família.”

A mãe da família desse senhor: “Amor? Bem, tem amor de noiva, que é quase só castelos e tolices. Tem o de jovem casada, que é também muita tolice __ mas sem castelos. Complicado com ciúme, etc., mas já inclui algum elemento mais sério. E tem o amor do casamento, que é a realidade da vida puxada a dois. Agora, o amor de mãe… Você perguntou também o amor de mãe?”

Respondi energicamente que não: amor de mãe, não. Quero saber só de amor de homem com mulher, amor propriamente dito.
Diz o solteiro, quase solteirão, que se imagina irresistível e incansável: “Amor é perigo. Só é bom com mulher sem compromissos. […] O melhor é amor forte e curto, que embriaga enquanto dura e não tem tempo para se complicar. Aquela história de marinheiro com um amor em cada porto tem o seu brilho, tem o seu brilho”.

O pastor protestante diz que o amor é sublimar a atração entre os dois seres, é atingir a mais alta e pura das emoções. Não confundir amor com sexo! […]

Já o padre católico não elimina o sexo do amor. Explica que, pelo contrário, o sexo, no amor, é tão importante como os seus demais componentes __ o altruísmo, a fidelidade, a capacidade de sacrifício, a ausência do egoísmo. E é tão importante que, para santificar o amor sexual __ o amor conjugal __, a Igreja o põe sob a guarda de um sacramento, o santo matrimônio. E ante a pergunta: se tudo é assim tão santo, por que os padres não casam? O padre velho não se importa com a impertinência, sorri: “Nós nos demos a um amor mais alto. Casamento, para nós, seria pior que bigamia…”

E por último tem a matrona sossegada que explica: “Amor? Amor é uma coisa que dói dentro do peito. Dói devagarinho, quentinho, confortável. É a mão que vem da cama vizinha, de noite, e segura na sua, adormecida. E você prefere ficar com o braço gelado e dormente a puxar a sua mão e cortar aquele contato. Tão precioso ele é. Amor é ter medo __ medo de quase tudo __ da morte, da doença, do desencontro, da fadiga, do costume, das novidades. Amor pode ser uma rosa e pode ser um bife, um beijo, uma colher de xarope. Mas o que o amor é, principalmente, são duas pessoas neste mundo”.

(De “Cenas brasileiras”, in Coleção Para gostar de ler. São Paulo, Ática, 1995)

 

Categoria pai: Seção - Blog

EDITORIAL

Aprender com evidências

  Eduardo Anizelli - 5.nov.2015/Folhapress  
SOBRAL, CE, 05.11.2015: BRASIL-OBQDC - Série O Brasil que Dá Certo - Alunos da escola E.I.E.F. Elpidio Ribeiro da Silva, em Sobral (CE). Os resultados da cidade do interior do Ceará no Ideb são impressionantes. Entre todas as escolas do Brasil, que atendem alunos pobres e possuem mais de 90 alunos, as 11 melhores estão na cidade (considerando as notas do Ideb 2013, no 5º ano do fundamental). (Foto: Eduardo Anizelli/Folhapress)
Sala de aula em escola pública de Sobral, no Ceará
 

Na última prova da avaliação internacional Pisa, estudantes de 15 anos do Brasil se saíram muito mal. Entre 70 países avaliados, o país ficou no 65º em matemática, 63º em ciências e 59º em leitura.

A situação preocupante do ensino público no país resulta de múltiplos fatores, da formação acadêmica deficiente dos professores a modas pedagógicas ultrapassadas, da indisciplina dos alunos ao absenteísmo de profissionais. Apesar disso, muitos insistem na solução única e simples: mais verbas.

Verdade que pagar melhores salários ajudará a recrutar docentes mais qualificados, mas não garantirá, por si só, seu bom desempenho em sala de aula. Para tanto se faz necessário dar-lhes treinamento em técnicas didáticas de eficácia comprovada e, em seguida, monitorar sua aplicação e recompensar os mais bem-sucedidos.

Pesquisa piloto conduzida no Ceará, patrocinada pelo Banco Mundial e outras entidades, demonstrou que pequenas intervenções na gestão do tempo podem fazer diferença considerável.

O experimento abarcou 350 escolas. Em 175 delas, tudo permaneceu igual; na outra metade, cada integrante do corpo pedagógico recebeu uma cópia do livro "Aula Nota 10", de Doug Lemov.

Além disso, coordenadores tiveram três sessões de treinamento sobre práticas didáticas. Também lhes foi franqueado acesso a especialistas por meio digital.

O objetivo central era aumentar o número de horas dedicadas à aula propriamente dita, ou seja, instrução. Para tanto, os orientadores compartilhavam com docentes sugestões para diminuir o tempo aplicado em tarefas administrativas, como fazer chamadas, e no combate à indisciplina em classe.

As escolas do Brasil são campeãs mundiais no desperdício. Por aqui, um quinto do período em sala de aula acaba dissipado em atividades e tarefas não educacionais.

Ao longo de 2015, os estabelecimentos cearenses submetidos à intervenção experimental tiveram um ganho médio de 59 horas de fato dedicadas a ensinar. É o mesmo que duas semanas a mais de aula.

Quanto à aprendizagem, esses colégios obtiveram em média 4 pontos a mais em matemática no sistema de avaliação do Ceará, o que equivale a um terço do que se aprende num ano letivo. Em português, foram dois pontos.

É assim, com pequenas conquistas, várias e somadas, que o Brasil pode vencer a batalha da qualidade do ensino —desde que haja clareza sobre objetivos a alcançar e se desfaça a miragem de que basta despejar recursos na educação. 

Categoria pai: Seção - Blog

Vi esta noite um documentário na TV sobre o país onde  Shakespeare ambientou sua tragédia mais famosa : Hamlet. Estou falando da Dinamarca. Fiquei impressionada com a simplicidade dos cidadãos daquele país. Pra começar, praticamente não há diferenças salariais entre as diversas profissões Quase todos, até os membros da casa real, movimentam-se  na cidade de bicicleta. Como as vizinhas Finlândia e Suécia, seu sistema escolar é dos melhores do mundo. Apesar do frio, os dinamarqueses curtem a vida ao ar livre,  nos parques e nos lagos.  E o melhor : eles têm total confiança em seus governantes , que fazem jus à confiança neles depositada.  Não posso afirmar que viver na Dinamarca  seja melhor que viver no Brasil, mas certamente é muito diferente. (Brasília, 17/11/2017)

Categoria pai: Seção - Blog

Uma palavra depois da outra


Crônicas para divulgação científica

Em 23 de Outubro de 2017, chegamos a 5052 downloads deste livro. 


:: Baixar o e-book para ler em seu Macintosh ou iPad
:: Baixar PDF


Novos Livros

Perfil

Nasci no remoto ano de 1945, em São Lourenço, encantadora estação de águas no sul de Minas, aonde Manuel Bandeira e outros doentes iam veranear em busca dos bons ares e águas minerais, que lhes pudessem restituir a saúde.

Leia Mais

Publicações

Do Campo para a cidade

Acesse:

 

Pesquisar